Tratamento de aneurisma cerebral com auxílio de balão duplo lumém e neurostent LEO

A hemorragia subaracnóidea aneurismática persiste com alta morbimortalidadea despeito dos avanços recentes no manejo intensivo do paciente neurocirúrgico. A mortalidade inicial chega a 50% dos casos, além
de haver morbidade significativa. A facilidade no acesso e a baixa morbidade de exames não invasivos, como angiorressonância e ângio
-TC, vem aumentando sobremaneira o diagnóstico de aneurismas cerebrais não rotos.

Nesse contexto, um melhor conhecimento da real incidência e história natural dos aneurismas cerebrais é essencial na definição do momento cirúrgico mais adequado para evitar a hemorragia sem acrescentar riscos
inaceitáveis.  

O maior estudo multicêntrico realizado até o momento para a análise dos aneurismas cerebrais não rotos, o ISUIA (International Study ofUnruptured Intracranial Aneurysms), foi designado para tentar caracterizar a história  natural dessas lesões. O estudo foi composto de uma coorte e retrospectiva que mostrou que, em pessoas sem história prévia de hemorragia subaracnóidea, aneurismas menores que 1 cm tinham risco anual de ruptura de 0,05% ao ano.  Aneurismas maiores que 1 cm tinham risco de 1% ao ano. Os autores concluíram que os aneurismas cerebrais tinham um curso mais benigno do que se pensava à época. O braço prospectivo do estudo foi publicado em 2003. Os  autores concluem que aneurismas não rotos menores que 7 mm em pacientes sem relato de hemorragia subaracnóidea prévia possuem risco de ruptura anual menor que 0,05%, não comportando tratamento cirúrgico.  Aneurismas maiores que 7 mm, história prévia de hemorragia subaracnóidea e aneurismas sintomáticos são indicações para tratamento cirúrgico. Quanto à localização do aneurisma, foi demonstrado que lesões de comunicante posterior e circulação posterior têm um risco de ruptura anual e em 5 anos maior que os aneurismas de carótida interna, comunicante anterior e cerebral média.

Em 2012, foi publicado o estudo UCAS, que analisou prospectivamente 6.697 aneurismas não rotos em 5.720 pacientes japoneses. Deles, 1.930 aneurismas foram acompanhados sem cirurgia por 1Oanos e 111 apresentaram hemorragia, 3.050 foram operados, 131 faleceram de causas não relacionadas e em 1.475 houve perda do seguimento. Dos pacientes que sofreram hemorragia por ruptura aneurismática, 35% faleceram e 29% permaneceram com sequelas moderadas e graves. Apenas 36% tiveram boa recuperação. Ao contrário dos achados do ISUIA, aneurismas de comunicante anterior apresentaram o maior risco de ruptura seguido de carótida interna/comunicante posterior e topo de basilar. Foram também indicados como fatores de risco de ruptura o sexo feminino, idade maior ou igual a 70 anos e presença de dilatação no fundo do aneurisma. Porém, esses achados e os de localização não alcançaram significância estatística quanto ao risco de ruptura (P >0,01). Quanto ao tamanho dos aneurismas, houve maior risco de ruptura, crescendo progressivamente e com significância estatística a partir de 7 mm. O risco anual de ruptura de aneurismas menores que 5 mm foi de 0,36%, semelhante aos 0,34% encontrados no ISUIA. De acordo com o UCAS, aneurismas cerebrais maiores que 7 mm localizados na comunicante anterior, comunicante posterior e carótida interna e que têm uma dilatação no fundo são mais propensos á ruptura.

O estudo UCAS tem como limitação a sua realização exclusivamente em japoneses. O risco de hemorragia subaracnóidea em japoneses é maior que em outras populações, apesar de a incidência de aneurismas não
rotos ser semelhante. Já o ISUIA incluiu mais de 90% dos pacientes de cor branca. Ambos os estudos têm uma fraqueza na falta de controle sobre quais pacientes seriam tratados e por qual método. Esses dois estudos foram muito importantes na definição da história natural e dos riscos de ruptura dos aneurismas cerebrais com estratificação de risco de hemorragia por vários fatores. 



 The International Study ofUnruptured Intracranial Aneurysms Investigators. Unruptured intracranial aneurysms - risk of rupture and risks of surgical intervention. N Engl J Med 1998;339: 1725-33

UCAS Japan Investigators, Morita A, Kirino T, Hashi K, Aoki N, Fukuhara S, et al. The natural course ofunruptured cerebral aneurysms in a Japanese cohort. N Engl J Med 2012; 366: 2474-82.  


 

Saiba mais »

Voltar

Mais Notícias

Edital Especialização Neurorradiologia Intervencionista...

Aberto edital de concurso para especialização em Neurorradiologia Intervencionista IAMSPE 2020

Leia mais

Edital Especialização Neurorradiologia Intervencionista...

Aberto Edital para concurso de especialização de Neurorradiologia Intervencionista IAMSPE 2020

Leia mais
Protocolo tratamento AVC IAMSPE

Protocolo tratamento AVC IAMSPE

Descritivo do protocolo de tratamento AVC fase aguda do IAMSPE

Leia mais
Protocolo tratamento AVC IAMSPE

Protocolo tratamento AVC IAMSPE

Descritivo protocolo tratamento do AVC agudo do IAMSPE

Leia mais
Equipe CDNI é responsável por centro participante do primeiro estudo multicêntrico nacional no tratamento do AVC - RESILIENT

Equipe CDNI é responsável por centro participante do...

Equipe CDNI é responsável por centro participante do primeiro estudo multicêntrico nacional no tratamento do AVC

Leia mais

Novo Ensaio Clínico permiti ampliação de janela...

Novo Ensaio Clínico permiti ampliação de janela terapêutica para tratamento endovascular do AVC isquêmico

Leia mais
Discussão de tratamento de Fístula Arteriovenosa Dural grau I

Discussão de tratamento de Fístula Arteriovenosa Dural...

LSF,62 anos.  18/10/17: Encontrada caída por familiares após suposta síncope. Encaminhada aSanta Casa de São Paulo pelo SAMU. Sem história de cefaléia súbita. Despertar em GCS 15, sem déficits. Realizada Tomografia de crânio evidenciando Hemorragia subaracnoidea...

Leia mais
Aneurisma roto de complexo comunicante anterior

Aneurisma roto de complexo comunicante anterior

Paciente encontrada por familiares com quadro de cefaléia e confusão mental com progressão nas últimas 6 horas.

Leia mais
Aneurisma de topo da carótida

Aneurisma de topo da carótida

SNA. 76 anos . Durante investigação ambulatorial de cefaléia e tremor nas mãos foi realizado Angiotomografia de crânio evidenciando aneurisma incidental em topo da artéria carótida interna esquerda . 

Leia mais
Embolização de Aneurisma segmento Oftálmico

Embolização de Aneurisma segmento Oftálmico

Embolização de aneurisma roto em  segmento oftálmico da artéria carótida interna esquerda.

Leia mais
Educação Continuada em Patologias Cérebro Vasculares

Educação Continuada em Patologias Cérebro Vasculares

Palestra sobre tratamento endovascular do AVC isquêmico na fase aguda

Leia mais
Tratamento endovascular de aneurismas de segmento oftálmico com colo desfavorável

Tratamento endovascular de aneurismas de segmento...

Tratamento endovascular de aneurismas com relação fundo/colo desfavorável utilizando stents redirecionadores de fluxo.

Leia mais

Calendário 2017 de eventos em Neurointervenção

Calendário 2017 de eventos em Neurointervenção

Leia mais

Publicado as diretrizes brasileiras para o tratamento...

Diretrizes brasileiras para o tratamento endovascular de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico agudo

Leia mais